rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA MPB
Julio César Biar juliobiar@gmail.com
Ave rara, Silvia Maria lança pela gravadora Joia Moderna seu terceiro disco. Antes a cantora paulistana só tinha registrado os álbuns ‘Porte de rainha’ (1973) e, sete anos mais tarde, ‘Coragem’. O novo trabalho impressiona pelo repertório peculiar e pela voz apurada que remete à escola musical que deu ao país Elis Regina (1945 – 1982), embora em alguns momentos Silvia se aproxime da afinação mais leve e bossa-novista de Joyce sem, contudo, chegar-se plenamente ao famoso balanço da zona sul carioca. O canto de Silvia Maria é veemente.

Na seleção musical de ‘Ave rara’ não há concessão à programação mesmerizada das FMs como atestam canções como ‘Rio vermelho’ (Milton Nascimento/ Danilo Caymmi/ Ronaldo Bastos), lançada por Milton no LP ‘Courage’ (1968), e ‘Ave rara’ (Edu Lobo/ Aldir Blanc), faixa do disco ‘Corrupião’, gravado por Edu em 1993. Ao canto intenso de Silvia adequam-se com perfeição os arranjos do violonista Conrado Paulino.

rioecultura : Silvia Maria: o retorno de uma rara cantora : Coluna MPB

Da esplêndida produção autoral do centenário Assis Valente, ela encara sem a manemolência necessária (ainda assim corretamente, graças à sua técnica apurada), ‘Minha embaixada chegou’, lançada por Carmen Miranda em 1934. A cantora se sai melhor em número mais intenso como ‘Que eu canse e descanse’ (Marcos Valle/ Paulo Sério Valle), canção gravada, não por acaso, pela intensa Maysa em 1970, no disco ‘Ando só numa multidão de amores’. O refinado arranjo também merece destaque.

Seguindo a trilha das canções menos evidentes, Silvia pesca do repertório de Elizeth Cardoso (1920 – 1990) nada menos que três músicas: ‘Valsa sem nome’ (Baden Powell/ Vinicius de Moraes), ‘Refém da solidão’ e ‘Voltei’, assinadas por Baden (1937 – 2000) e Paulo César Pinheiro. O letrista aparece ainda em ‘Sete cordas’ (c/ Raphael Rabello).

Outro bom momento de ‘Ave rara’ é ‘Me dá a penúltima’ (João Bosco/ Aldir Blanc), gravada por Bosco em ‘Tiro de misericórdia’ (1977), mesmo disco de ‘Bijuterias’ – novamente em evidência graças à nova versão da novela ‘O astro’.

Assim, oferecendo um biscoito fino – não para as massas – Silvia Maria retoma sua carreira fonográfica: “A lembrança pedia pra eu voltar/ A saudade mandava me chamar”, entregam os versos da canção que encerra o disco (‘Voltei’). Entre e fique à vontade.
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Após ter lido esse texto, tão bem elaborado, como fica muito difícil esboçar qualquer comentário técnico sobre o talento da excelente cantora e professora Silvia Maria, apelo, aqui, pra uma lembrança feliz de minha primeira participação num festival importante de mpb; era o IV Festival universitário de música da, hoje, extinta TV TUPI, em 1971 e eu fui agraciado com o terceiro prêmio, sendo que a canção que ela tão bem defendeu, ficou com o segundo lugar e ela, ainda muito jovem, foi a melhor intérprete do festival!!!
  Postado por: Valdir Dafonseca
  em: 2011-08-18 16:16:10


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura