rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
Memória do Teatro Brasileiro

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico

No charmoso e bucólico bairro de Santa Teresa encontra-se uma casa que guarda a memória de um importante capítulo da história do teatro brasileiro.

A casa do dramaturgo e empreendedor cultural Paschoal Carlos Magno (1906 – 1980) foi sede durante muitos anos do Teatro Duse, onde foram revelados dezenas de talentos.

Vamos conhecer um pouco da história dessa casa e de seu proprietário.

Teatro Duse

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico

Fundado em dois de agosto de 1952, no porão da casa do embaixador Paschoal Carlos Magno, em Santa Teresa, o Teatro Duse, assim batizado em homenagem à atriz italiana Eleonora Duse, revelava atores, diretores, cenógrafos, figurinistas, técnicos e autores. Passaram por ali nomes como Agildo Ribeiro, Consuelo Leandro, Glauce Rocha, Joel Barcelos, Maria Pompeu, Othon Bastos, Rui Cavalcanti, Tereza Raquel e Sebastião Vasconcelos, entre outros.

Com apenas cem lugares, em sua primeira fase funcionou até 1956 abrigando movimentos como o Teatro do Estudante do Brasil (TEB) e o Teatro Experimental do Negro, grupos criados por Paschoal. Durante seus quatro primeiros anos, o teatro apresentou obras de autores brasileiros inéditos, entre elas Frankel, de Antônio Callado; Lampião, de Rachel de Queiroz; João Sem Terra, de Hermilo Borba Filho; e Lázaro, de Francisco Pereira da Silva.

O único teatro-laboratório do Brasil, no entanto, foi fechado em 1957. Em 19 de dezembro de 2005, o Ministério da Cultura e a Funarte reabrem a Casa Funarte Paschoal Carlos Magno e o Teatro Funarte Duse.

Hoje a casa hospeda artistas e técnicos de artes cênicas, do Brasil e do exterior, de passagem pela cidade, e voltou a promover atividades culturais, dentre os quais espetáculos de Música de Câmara, cursos e oficinas.

A Casa

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico

Construída em um terreno em declive, na ladeira da Rua Hermenegildo de Barros, a antiga casa de Paschoal Carlos destaca-se pelos antigos lampiões com globos de vidro opaco, estátuas de louça, vasos de cerâmica do Porto, azulejos coloniais, pela porta de entrada com arco pleno em cantaria de granito, pelos lambrequins, entre outros detalhes que tanto agradavam a seu proprietário original.

Paschoal Carlos Magno

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico
Fotografia em preto e branco de Paschoal Carlos Magno e Montagem no Teatro Duse

Filho dos imigrantes italianos, Nicolau e Filomena Campanella Carlos Magno, Paschoal nasceu no Rio, em 13 de janeiro de 1906. Era poeta e romancista; diplomata de carreira, foi vereador pelo Distrito Federal, chefe de gabinete no Governo de Juscelino Kubitschek. Acima de tudo um homem de teatro, atuou, dirigiu, escreveu e idealizou festivais e caravanas. Trabalhou como crítico do jornal Correio da Manhã e criou o Teatro do Estudante do Brasil e o Teatro Experimental do Negro.

Sua carreira começou com Renato Vianna, na Caverna mágica, seguindo-se a estreia no Teatro de Brinquedo, com Álvaro Moreyra. Em 1929, criou a Casa do Estudante do Brasil. Um ano depois, sua peça Pierrot, premiada pela Academia Brasileira de Letras, estreava tendo na platéia o presidente Getúlio Vargas.

Homem à frente de seu tempo, Paschoal Carlos Magno redimensionou a cena da época e botou o Brasil no palco. Também nasceram de seus ideais a Caravana da Cultura (1964), a Barca da Cultura (1974), o Trem da Cultura, projetos itinerantes de circulação de artes cênicas, o Teatro Experimental de Ópera e o Festival Nacional de Teatro de Estudantes (com sete edições).

Quando completou 70 anos, ganhou do poeta Carlos Drummond de Andrade a crônica Por sua vida curtida e generosa, hoje devia ser feriado nacional, publicada no Jornal do Brasil. Paschoal Carlos Magno morreu em 24 de maio de 1980, aos 74 anos.

rioecultura : Casa de Paschoal Carlos Magno / Teatro Duse : Coluna Patrimônio Histórico

SERVIÇO
-------------------------------------
A Casa Funarte Paschoal Carlos Magno
Rua Hermenegildo de Barros, nº 161, Santa Teresa
Informações: (21) 2224-1163 ou 2279-8013
ceacen@funarte.gov.br, no Centro de Artes Cênicas.
-------------------------------------



Fotos recentes do Teatro Duse: Leo Ladeira.

Fontes de Consulta:
- Ascom/Funarte
- Site do Ministério da Cultura
- Acervo Cedoc/FUNARTE
- Acervo Leo Ladeira
- Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
- Teatro Duse: Entusiasmo e Fascinação em Santa Teresa. Por Diego Molina. Cadernos Virtuais de Pesquisa em Artes Cênicas, 2009.
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

EXPOSIÇÃO
destaque

rioecultura : EXPO A mãe contempla o mar [Cristina Salgado] : Laura Marsiaj Arte Contemporânea
A mãe contempla o mar [Cristina Salgado]
Relação completa de Exposições
EVENTOS
destaque

Relação completa de Eventos

Divulgue
 

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.


Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura