rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
EXPOSIÇÃO
voltar para a página anterior
Tombo [RODRIGO BRAGA]
rioecultura : EXPO Tombo [RODRIGO BRAGA] : Casa França-Brasil
ABERTURA:
1 de abril de 2015
ENCERRAMENTO:
24 de maio de 2015
LOCAL:
Casa França-Brasil
Rua Visconde de Itaboraí, 78
Centro
(21) 2253-5366
FUNCIONAMENTO:
De 3ª feira a domingo, das 10h às 20h
INGRESSO:
Entrada franca
Atenção: os horários e a programação podem ser alterados pelo local sem aviso prévio. Por isso, é recomendável confirmar as informações por telefone antes de sair.
compartilhe  |  Comente |  Ler comentários   voltar para a página anterior  subir
 
Com curadoria de Thais Rivitti, essa é a primeira exposição individual do artista no Rio.
Conversa aberta: 29 de abril de 2015, às 19h, com o artista Rodrigo Braga e a curadora Thais Rivitti.
Visita guiada: 2 de maio, às 16h30, com o artista Rodrigo Braga.

rioecultura EXPO Tombo [RODRIGO BRAGA]

Rodrigo Braga criou a instalação “Tombo” especialmente para o vão central da Casa França-Brasil. Ali, estarão dispostas no chão mais de 15 toras de aproximadamente cinco metros de comprimento cada, segmentadas de cinco palmeiras imperiais centenárias. “Tombo” provoca uma imediata relação com as 24 colunas internas do espaço, um dos marcos neoclássicos do país, construído em 1820 pelo arquiteto francês Grandjean de Montigny (1776-1850), para ser a Praça do Comércio, em determinação de João VI.

A curadora Thais Rivitti observa que “as toras de árvore caídas, dispersas pelo espaço desordenadamente, e as colunas do prédio, construídas de forma regular e ritmada, criam entre si uma série de relações de aproximação e de distanciamento que se desdobram em vários sentidos”. “Em primeiro lugar, o trabalho recoloca em discussão o par ‘natureza e cultura’: a natureza aparece nas palmeiras em seu estado bruto, e a cultura na arquitetura neoclássica da qual as colunas são parte importante”.

Ela lembra que foi justamente João VI, chegado ao Rio em 1808, quem plantou no recém-inaugurado Horto Real, atual Jardim Botânico, o primeiro exemplar da palmeira Roystonea oleracea, por isso batizada de imperial. As sementes, nativas do Caribe, chegaram às mãos do Rei trazidas das Ilhas Maurício, então colônia francesa no Oceano Índico. Na época buscava-se adaptar ao Brasil espécies estrangeiras. Da mesma forma que a palmeira, as colunas da Casa França-Brasil também representam esta tentativa de “aclimatação”. “Revestidas por uma pintura que imita mármore, mostrando o caráter problemático e postiço da importação de estilos e modos de vida, as colunas da Casa França-Brasil revelam ao visitante as adaptações do neoclássico no país”, explica.

rioecultura EXPO Tombo [RODRIGO BRAGA]

CONSTRUÇÃO SIMBÓLICA DO BRASIL

“Gosto muito de história, gosto muito da natureza, e ao chegar ao Rio minha aproximação, meu gosto pela cidade, veio da observação da arquitetura histórica e das palmeiras”, conta Rodrigo Braga. “Essas palmeiras centenárias da cidade passaram por todos os períodos políticos, estão aí há cerca de 150 anos”. “Sua casca, seu caule trazem impregnados um pouco da cidade. São um reflexo, um espelho, e a cidade cresceu em torno delas, se modificou, e elas permaneceram”.

Ele destaca que as palmeiras, inicialmente, eram “um projeto da Coroa, do Império”. “As palmeiras só podiam ser plantadas em prédios públicos ou em casas da corte. Essas sementes da palma mater do Jardim Botânico eram protegidas, pois só o Rei dizia quem poderia plantar”. Em seguida as sementes passaram a ser vendidas clandestinamente, sendo adquiridas e cultivadas por nobres não apenas no Rio como em outras capitais e no interior, principalmente nas sedes das fazendas, as palmeiras eram plantadas em aleias, como símbolo de poder. “Era ainda o início da definição do que seria pátria brasileira, o rei tinha acabado de chegar. Enquanto a Europa estava lidando com uma situação mais urbana, o Brasil era esse país imenso em termos de território, com uma natureza gigante, exuberante, e a palmeira, mesmo sendo uma planta exógena, estrangeira, entrou simbolicamente para valorizar isso, e coube muito bem nesse projeto de construção simbólica do Brasil”.

rioecultura EXPO Tombo [RODRIGO BRAGA]

RUÍNAS E TRANSFORMAÇÃO

Uma das salas laterais da Casa França-Brasil será ocupada por uma videoinstalação com imagens do processo de corte e retirada das palmeiras, já condenadas, no Horto, zona sul do Rio. Rodrigo Braga comenta que o título da exposição remete “ao desastre, ao tombo pela ruína ou pelo envelhecimento”. “Esta relação de perda, de envelhecimento, de queda, ou de derrubada deliberada pelo homem, de certa forma se relaciona com meus trabalhos anteriores, em que há este limite de tensão entre o que é a força da natureza e a força do homem, essa quebra de braço entre o que o homem é capaz de fazer com a natureza e de como a natureza é capaz de reagir”. “Mas também se relaciona com mudança, transformação, ciclo natural, de fim e recomeço”, diz. “Gosto de ver esta dimensão especulativa do trabalho, da imaginação das pessoas, qual leitura vão ter”.

Na outra sala lateral estarão referências históricas, como plantas arquitetônicas da antiga Praça do Comércio, desenhos de botânica, relatos de viajantes, e crônicas da época, como a do escritor francês Charles Ribeyrolles que, em 1858, descreve as palmeiras imperiais do Jardim Botânico “como uma sala em um palácio, como se fossem colunas elegantes, fazendo esta relação entre palmeira e arquitetura”.

SOBRE O ARTISTA
Nascido em Manaus em 1976, Rodrigo Braga logo mudou-se para Recife, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE (2002). Atualmente vive no Rio de Janeiro. Expõe com regularidade desde 1999 e em 2012 participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 2009 recebe Prêmio Marcantonio Vilaça – Funarte/MinC; em 2010 o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, em 2012 o Prêmio Pipa/MAM-RJ Voto Popular e em 2013 o Prêmio MASP Talento Emergente. Possui obras em acervos particulares e institucionais no Brasil e no exterior, como MAM-SP, MAM-RJ e Maison Européene de La Photographie, Paris.
compartilhe  |  Comente |  Ler comentários   voltar para a página anterior  subir
 
Relação de Exposições Temporárias
Relação de Exposições de Longa Duração

EXPOSIÇÕES Encerradas

Desde outubro de 2008 várias exposições passaram pelo Rio&Cultura. Você pode conferir a lista de exposições que saíram de cartaz, mas permanecem registradas.
EXPOSIÇÕES
Busca
[por Nome de Exposição]
[por Data de Encerramento]
[por Local]
[por Bairro]
Divulgue

Seu nome:
Comentário:


Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem para o(a) amigo(a):
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
ATENÇÃO
Antes de efetuar o convite, verifique se todos os campos estão preenchidos corretamente.


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem para o(a) amigo(a):
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
ATENÇÃO
Antes de efetuar a indicação, verifique se todos os campos estão preenchidos corretamente.

  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura