locais culturais
Museu D. João VI
rioecultura : Museu D. João VI
Compartilhar
Museu D. João VI
Classificação: Museu
Endereço: Avenida Brigadeiro Trompowsky, s/n - 2º andar
Cidade Universitária - Rio de Janeiro / RJ
CEP 21941-590
Telefone: (21) 2598-1997 / 2290-2112 (Ramal 2786)
website: www.eba.ufrj.br/museu
Funcionamento:
De 2ª a 6ª feira, das 10h às 16h
Ingresso: É cobrada uma taxa para visitação
Aconselha-se agendamento antes da visitação
Atenção: os horários e a programação podem ser alterados pelo local sem aviso prévio. Por isso, é recomendável confirmar as informações antes de sair.
EM BREVE DISPONIBILIZAREMOS O MAPA.
CONHEÇA MAIS

O museu tem como missão atender a pesquisadores de todo país e exterior, uma vez que guarda um acervo museológico e arquivístico importante para a história da arte brasileira e do ensino artístico em geral.

Um pouco sobre a história
Em 1975, com a transferência da Escola de Belas Artes para o Campus Universitário do Fundão, o acervo pertencente à Escola - biblioteca, arquivo histórico e coleções museológicas - acompanhou sua mudança, instalando-se no prédio da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Em 23/08/1979, a Congregação da Escola de Belas Artes criou o Museu D. João VI, museu universitário que reúne as coleções museológicas da EBA e seu arquivo histórico, com o objetivo de preservar e divulgar a memória do ensino artístico no Brasil.

Um pouco sobre acervo
O acervo é constituído basicamente por duas coleções, obras relativas à Academia Imperial de Bellas Artes, depois Escola de Belas Artes, com obras do arquiteto Grandjean de Montigny (vários desenhos arquitetônicos) e Marc Ferrez (alguns bustos). Trabalhos decorrentes dos Prêmios de Viagem, como os de Zeferino da Costa, Rodolfo Amoedo e uma série de envios-cópias dos primeiros mestres da pintura européia, feitas pelos artistas pensionistas como Eliseu Visconti, Vitor Meirelles, entre outros. Na virada para o século XX, destacam-se Lucílio e Georgina de Albuquerque, Marques Junior, Portinari, entre outros. Outro registro importante é a coleção de medalhística com trabalhos de Girardet e Leopoldo Campos. A segunda coleção foi doada em 1947, pela viúva do colecionador Jerônimo Ferreira das Neves, composta por mobiliário, porcelanas, tecidos, marfins, pinturas flamengas e aflamengadas e livros raros. O museu também possui um importante acervo documental da Academia Imperial de Belas Artes.


- NENHUMA EXPOSIÇÃO EM CARTAZ

- NÃO HÁ AGENDA DE EVENTOS