rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE

Espaços de cultura

VOLTAR
[Museu]
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM RJ)

Endereço:
Av. Infante Dom Henrique, 85
Aterro do Flamengo - Rio de Janeiro / RJ
CEP 20021-140
Telefone:
(21) 2240 4944.
website:
www.mamrio.com.br
Funcionamento:
De 3ª a 6ª feira, das 12h às 18h
Sábado, domingo e feriados, das 12h às 19h
A bilheteria fecha 30 min antes do término do horário de visitação.
Ingresso:
R$12 [inteira]
R$6 [meia]
Entrada gratuita [Amigos do MAM e crianças até 12 anos]
Todas as quartas-feiras a partir das 15h: entrada gratuita
Domingos ingresso família, para até 5 pessoas: R$12
compartilhe
EXPOSIÇÕES EM CARTAZ
Genealogias do Contemporâneo – Coleção Gilberto Chateaubriand / MAM Rio
até: Exposição de longa duração - sem data de término
MAM: sua história, seu patrimônio
até: Exposição de longa duração - sem data de término
Nova Figuração Anos 1960 - 1970
até: Exposição de longa duração - sem data de término
O Modernismo Brasileiro
até: Exposição de longa duração - sem data de término


- NÃO HÁ AGENDA DE EVENTOS
UM POUCO DA HISTÓRIA
O Museu se coloca hoje como uma instituição comprometida com o mundo contemporâneo. Seu grande desafio é construir o futuro sem esquecer o seu passado. Abrir seu espaço para novas idéias e tecnologias. Atualizar-se em relação aos novos modelos teóricos de interpretação do fenômeno artístico. Preservar seu patrimônio arquitetônico, marco da arquitetura moderna brasileira. Preservar e exibir suas coleções apresentando-as de acordo com os padrões museológicos, museográficos e curatorais contemporâneos. Preservar seu acervo documental para fundamentar a pesquisa e as discussões sobre as diversas formas e interpretações da arte e da história do Museu. Difundir as principais tendências e questões da produção visual moderna e contemporânea. Formar e diversificar o seu público, usando como instrumento a visão contemporânea do mundo.

Um pouco sobre a história
Criado em 1948, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM RJ – ocupou inicialmente as dependências do Banco Boavista, instituição bancária na Candelária. Em 1952, foi transferido para os pilotis do atual Palácio Capanema, então Ministério da Educação e Cultura. Ao inaugurar esta segunda sede provisória, foram expostas obras premiadas na 1ª Bienal de São Paulo (que ocorrerá em 1951), juntamente com outras obras de diversos artistas brasileiros. Em 1951, iniciou-se a construção da sede definitiva, em terreno doado pelo Governo do Distrito Federal: 40 mil metros quadrados destinados ao prédio e aos jardins, à beira mar. Certamente, uma das paisagens mais espetaculares do mundo, situada ao fundo da enseada da Glória. O risco ficou a cargo de Afonso Eduardo Reidy, e o projeto dos jardins foi confiado a Roberto Burle Marx. O trabalho realizado por eles é em boa parte responsável pela fama internacional do Museu.

Em 1958, estando concluída a construção do primeiro bloco arquitetônico, o Bloco escola, com 10 mil metros quadrados, o MAM RJ transferiu-se para sua sede definitiva, sem que a ala principal - 14 mil metros quadrados para os salões e a administração - estivesse concluída, o que só ocorreria na década seguinte. E somente, em 2006, teve seu projeto terminado com a construção do Teatro VivoRio. O MAM RJ tem sido um centro de difusão cultural por onde passaram as principais tendências da arte moderna e contemporânea no país, e teve um papel decisivo na formação de mais de uma geração de artistas brasileiros. Com base nos seus estatutos, o Museu dispõe de uma Direção Executiva e um conselho Deliberativo, reunindo personalidades reconhecidamente à altura do empreendimento, e as quais contribuíram de forma decisiva para a construção da sede definitiva e a formação do acervo.

Um pouco sobre acervo
O acervo do Museu de Arte Moderna foi formado, inicialmente, ao longo das décadas de 1940 e 1950 por inúmeras doações de artistas, empresários e algumas instituições oficiais, mas partir de 1933, o museu recebeu, em regime de comodato, as coleções de Gilberto Chateaubriand e Joaquim Paiva. O seu acervo constituiu-se em umas das coleções de arte do século XX mais importantes no país, apresentando um panorama completo e sofisticado da evolução artística de nosso século, dentro e fora do Brasil. Durante três décadas, a maioria dos artistas brasileiros de destaque estavam no museu fartamente representados e eram permanentemente vistos pelo público.

Com o incêndio em 1978, o esforço feito nas décadas anteriores para a formação do acervo foi perdido, restando pouca coisa do incêndio. Das obras que escaparam do fogo, destacam-se: Mademoisselle Pogany, escultura de Constantin Brancusi de 1920; Number 16 de Jackson Pollock de 1950 e a obra de Ben Nicholson, Opal, Magenta and Black de 1951. Imediatamente após o trágico acidente que chocou o meio cultural de todo o mundo, começaram as manifestações de solidariedade sob a forma de doações de artistas, instituições e mesmo de governos - como o da França, que enviou obras como: o de Pierre Soulages - mas os esforços de reconstrução do acervo foram largamente prejudicados por crises sucessivas da economia brasileira. Foi necessário um longo período de pequenas adições para que a coleção do Museu voltasse a ocupar seu lugar de destaque.

Atualmente, com cerca de 11 mil peças, a maior parte formada por obras do colecionador Gilberto Chateaubriand, o museu tem projeto arquitetônico de Afonso Eduardo Reidy e paisagéstico de Roberto Burle Marx. Oferece salas de exposição, cinemateca, restaurante e lojas.

EXPOSIÇÃO EM MEMÓRIA
[o que passou por aqui e não está mais em cartaz]
Leda Catunda – Pinturas Recentes
Elizabeth Jobim - Blocos
América do Sul – A Pop Arte das contradições
Super 8
Ponto Final Sem Pausas [Elisa Bracher]
José Damasceno
Fotografias – Coleção Joaquim Paiva
Algumas doações recentes
Roberto Cabot – em busca do aleph
Placebo [Tatiana Grinberg]
Carlos Zilio - Pinturas
Fendas [José Bechara]
Horizonte Construído - Fotografia e Arquitetura nas coleções do MAM
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - Arquitetura e Construção
Finalistas do PIPA 2010 [Cinthia Marcelle, Marcelo Moscheta, Marcius Galan e Renata Lucas]
Nuno Ramos – Fruto Estranho
Se a pintura morreu o MAM é um céu
Arredores e Rastros [Cristina Canale]
Claudio Carpi – Almas Cinematográficas
Novas Aquisições 2007-2010 : Coleção Gilberto Chateaubriand
Carlos Vergara: A dimensão gráfica – uma outra energia silenciosa
Cuide de Você [Sophie Calle]
Gérard Fromanger – A Imaginação no Poder
Morros velados [Luiz Pizarro]
Jorge Guinle – Belo Caos
Revista Revista [Orlando Mollica]
Doações 2009
Cor e Movimento [Noêmia Guerra]
Biblioteca, Araken
Fratelli d´Italia [Matthias Schaller]
Bob N
Neoconcretismo - 50 Anos
O lugar do ar [Carla Guagliardi]
VIK
Osmo Rauhala
60 ANOS MAM-Rio - Arte Brasileira 1963 - 1978
60 ANOS MAM-Rio - Construção
60 ANOS MAM-Rio - Cinemateca
60 ANOS MAM-Rio - Formação de Coleção
60 ANOS MAM-Rio - Pré Bienal de Paris 1969
Sistema Uniplanetário In Memeoriam Galileo Galilei - Alex Flemming
Fotografias Estrangeiras
Ascânio MMM
João Magalhães
Imediações críticas
Impressões
Pesquise no Rio&Cultura - by Google

locias de cultura: destaque

  Museus
  Centros Culturais
  Galerias de Arte
  Igrejas Históricas
  Parque e Jardins
  Patrimônio Histórico
  Bibliotecas
  Cinemas Cuturais
  Teatros
  Mapa de pontos culturais
EVENTOS
destaque

Relação completa de Eventos
EXPOSIÇÃO
destaque

rioecultura : EXPO ILUSÕES : Casa Daros [Daros-Latinoamerica]
ILUSÕES
Relação completa de Exposições
MATÉRIA
destaque

rioecultura : MATÉRIA 8ª Primavera dos Museus
8ª Primavera dos Museus
Relação completa de Matérias

Divulgue
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura